26 de jun de 2010

O Fausto de Goethe

"Se eu me acosto jamais em fofa cama,
 
contente e em paz, que nesse instante eu morra!
 
Se uma só vez com falsas louvaminhas
 
chegares por tal arte a alucinar-me
 
que eu me agrade a mim próprio; se valeres
 
a cativar-me com deleites frívolos,
 
súbito a luz da vida se me apague.
 
Vá! queres apostar?"

                               Fausto  Quadro V, Cena I - Tradução António Feliciano de Castilho

Os versos acima são de Johann Wolfgang von Goethe, escritor, cientista e filósofo alemãoGoethe era formado em Direito e chegou a atuar como advogado por pouco tempo. Como sua paixão era a literatura, resolveu dedicar-se a esta área. Fez parte de dois movimentos literários importantes: romantismo e expressionismo. Apresentou também um grande interesse pela pintura e desenho.

No ano de 1786 foi para a Itália, onde morou por dois anos. Neste período escreveu importantes obras como, por exemplo, Torquato Tasso (drama), Ifigênia em Taúrides (peça de teatro) e as Elegias Romanas.

Porém, sua grande obra foi o poema Fausto, escrito em 1806. Baseada numa lenda, esta obra relata a vida de Dr. Fausto, que vendeu a alma para o diabo em troca de prazeres terrenos, riqueza e poderes ilimitados.

Escreveu também sobre temas científicos. Defendia uma nova explicação para a teoria das cores, em oposição à defendida por Isaac Newton. Demonstrou também grande interesse por botânica e pela origem das formas de vida (animal e vegetal). Alguns pesquisadores afirmam que seus estudos abriram caminho para o darwinismo e evolucionismo (teoria da Evolução das Espécies).

(Com informações da Wikipédia  e Sua Pesquisa.com)


2 comentários:

  1. Olá Geraldo!
    Meu amigo, tem tanta riqueza na literatura; tantas obras boas e interessantes! Acho muito bom você nos trazer um pouco mais desse conhecimento. Te confesso que tem muita coisa que desconheço, essa obra é uma delas!
    Grande abraço!
    Jackie

    ResponderExcluir
  2. Salve, Confrade!
    Quão deleitoso é, - num tempo em que a praxe vigente é a de fúteis banalidades - poder absorver através de arautos como você e tantos outros que temos a felicidade de encontrar aqui no dihitt,um conteúdo com a consitência da arte, da história e da filosofia que tanto têm para enriquecer a percepção dos dispostos a tal exercício.
    Meus parabéns por sua generosa escolha em compartilhar conosco o fruto de sua primorosa pesquisa!
    O Cavaleiro Virtual te envia seu abraço fraternal!
    Este teu Confrade: Max Costa

    ResponderExcluir

Obrigado pelo seu comentario!!! Volte Sempre!!!

Artigos Populares

Arquivo do blog

Lista de Blogs