21 de set de 2010


Em 21 de setembro de 1860 morria em Frankfurt am Main  um dos mais influentes pensadores do século 19. Uma figura marcada por contradições e anedotas, porém sem a qual Wagner, Nietzsche e Thomas Mann seriam impensáveis. 
Obit anus, abit onus: A velha morre, a carga se vai.
A frase consta do livro de contas de um certo senhor alemão do século 19. Mais de 20 anos antes, ele machucara seriamente, numa briga, o braço de uma costureira, sendo condenado a pagar-lhe uma pensão vitalícia. Agora, por fim, com a morte da ex-vizinha, a despesa estava quitada.
Arthur Schopenhauer em 1859
Tanto a história como seu final não soam nada nobres, muito menos para um filósofo. No entanto, assim era Arthur Schopenhauer (1788-1860): um homem de extremos e contradições.
Teoria e prática
Nos atos, um Don Juan, nas ideias, um misógino, seu julgamento sobre o matrimônio era sumário: "Casar-se significa agarrar um saco, de olhos vendados, e rezar para que se ache uma enguia em meio a um monte de cobras". Além disso, por melhor que um casamento fosse, ele sempre resultava em "reduzir à metade os próprios direitos e duplicar as obrigações".
Em contrapartida, Schopenhauer foi um dos primeiros europeus a se baterem pelos direitos dos animais. E admirava os vegetarianos da Índia, embora ele mesmo comesse carne e estivesse longe de ser um asceta.
Nascido em 22 de fevereiro de 1788 em Danzig (hoje Gdansk, na Polônia), Arthur Schopenhauer cresceu em Hamburgo e conheceu a Europa viajando com seus pais. Assim descreve o biógrafo Rüdiger Safranski a trajetória do pensador:
"O pai, um rico empresário, queria que ele fosse comerciante. Schopenhauer tornou-se filósofo, beneficiando-se da morte do pai e com a ajuda da mãe, que ele mais tarde trataria como inimiga". Fato é que a fortuna herdada permitiu ao solteirão viver para a filosofia, e não dela, como os professores universitários que ele tanto odiava.




Artigos Populares

Arquivo do blog

Lista de Blogs