30 de nov de 2010

Dialekt vs. HochdeutschImage by mkorsakov via Flickr
Em Santa Maria do Herval, região de Novo Hamburgo, RS, surge forte a mobilização em favor do Hunsrik - a faceta brasileira/latino-americana do Hunsrückisch. Cada língua é parte de uma família lingüística, tem "parentes". 

Se uma destas já foi descrita fonologicamente, ou se esta já tem ortografia e talvez até literatura, é bom estudar esta situação. Para o Hunsrik isto se aplica: os imigrantes da Alemanha, Suíça, Áustria do século 19 e 20 saíram de uma cultura onde uma educação escolar já tinha um grande valor e estava ao alcance da maior parte da população, inclusive dos que migraram. Por isso, a língua Alemã – não do Hunsrik, que figurava como "dialeto" e não era codificado – foi ensinada nas escolas até a sua proibição durante a Segunda Guerra Mundial. 

Os falantes da língua germânica Hunsrik, se quiserem escrever a sua língua materna, tinham que aprender Hochdeutsch que era codificado desde o século 16 quando o Dr. Martinho Lutero traduziu a Bíblia para o alemão e assim o estabeleceu. Quando estes migraram para o Brasil no século 19, alguns trouxeram suas Bíblias, e a formação escolar era parte firme da sua cultura.

Com os acontecimentos durante a Segunda Guerra Mundial esta educação perdeu-se em grande parte. A fala da língua Hunsrik permaneceu e continuou a desenvolver-se. Os falantes tornaram-se mais bilíngües em português e não aprenderam mais o alemão. Assim hoje o interesse renovado de ler na língua materna é desligado do conhecimento do Hochdeutsch que é percebido como uma ciência quase perdida e difícil de aprender. 

De fato não tem nenhuma necessidade de saber ler Hochdeutsch para ler ou escrever Hunsrik.

Assim estamos propondo para o Hunsrik sul-americano escrevê-lo de maneira regular, segundo os fonemas (não os sons) da língua. Fizemos uma análise dos fonemas do Hochdeutsch da Alemanha (língua materna da autora) e a apresentamos na parte 2 deste trabalho. Também consideramos os fonemas da língua Portuguesa do Brasil como é falada no RS, e os apresentamos na parte 3 deste livro. Enfim na parte 4 explicamos a nossa análise fonológica do Hunsrik do Brasil e uma maneira de escrevê-lo ortograficamente, levando em consideração o seu contexto geográfico na América Latina e cultural em contato com o Português.

Seria perfeitamente possível ensiná-lo como língua de primeira alfabetização das crianças que o falam em casa como língua materna ou dos avós. De fato seria melhor alfabetizar cada criança na sua língua materna em vez de exigir que ela aprenda uma outra língua antes de ser alfabetizada.

A criança que chega na escola para ver que os seus conhecimentos já adquiridos em casa não valem nada fora dificilmente pode desenvolver a autoconfiança necessária para ter uma vida realizada. Diante dos problemas normais de toda a vida humana sempre se achará insuficiente. Isto pode levá-la até o desespero. Isto simplesmente porque a alfabetização foi feita numa língua que ela desconhece ou conhece mal.

Assim esperamos que nosso trabalho possa ser útil para uma nova escola brasileira, a escola que alfabetiza na língua materna do colono.

Fonte: Dr. Ursula Wiesemann / www. hunsrik.org
Enhanced by Zemanta

22 de nov de 2010

Coat of arms of the Federal Republic of Germany.Image via Wikipedia

Quando um país é formado por várias etnias e culturas, conflitos podem demorar a surgir, porém são inevitáveis, a discussão atual na Alemanha é a oficialização do idioma alemão

Associações entregam petição reivindicando adoção do alemão como língua oficial da Alemanha. Organizações de imigrantes acompanham o debate com desconforto por temer exclusão das minorias e perda de identidade cultural.

No último dia 09/11, representantes da Associação do Idioma Alemão (VDS) e da Associação para as Relações Culturais Alemãs no Exterior (VDA) entregaram cerca de 50 mil assinaturas ao presidente do Parlamento alemão, Norbert Lammert, reivindicando que o alemão seja adotado como língua oficial no país.


"O idioma da Alemanha é o alemão". É a frase que a VDS espera ver futuramente na Lei Fundamental. "Acreditamos que o alemão desfrute de pouco prestígio em nossa sociedade", afirma Holger Klatte, porta-voz da associação, referindo-se ao peso do inglês na ciência, tecnologia e outras áreas. "Com a inclusão do alemão na Lei Fundamental, a importância da língua seria outra", diz.


Há dois anos a associação chegou a um estágio vitorioso com o apoio do partido conservador União Democrata Cristã (CDU). No entanto, na coalizão de governo com o Partido Liberal Democrático (FDP), a reivindicação perdeu força. 


O jornal alemão Bild aderiu à campanha e recrutou seus leitores para enviarem uma carta à VDS, onde consta, entre outros, a afirmação: "eu não quero famílias de imigrantes que, na sua terceira geração, ainda se recusam a aprender corretamente o idioma do país onde vivem".

O maior motivo para a instuição do idioma é a ameaça do anglicismo : a VDS esclarece que não é contra o fato de as pessoas falarem outros idiomas. "Imigrantes devem ser encorajados a falar suas línguas nativas", afirma Klatte. Segundo a associação, a língua está em risco não por causa dos imigrantes, mas pelo uso crescente do anglicismo e por não criar um novo vocabulário. "A língua não está se desenvolvendo", diz Klatte.  

No entanto, alguns questionam que a adoção de palavras em inglês é parte do processo natural da língua. "Frequentemente o anglicismo cobre lacunas temporárias", afirma Doris Steffens, do Instituto da Língua Alemã de Mannheim. "Pegar emprestado palavras de outros idiomas tem acontecido há séculos – do francês e ainda antes do latim", diz Steffens. "O idioma alemão não é uma grandeza absoluta, que possa ser colocado em uma lei. É um sistema em constantes mudanças ", finaliza.

17 de nov de 2010

Ganso "pagam" o pato
Realizou-se no último dia 11/11, a tradicional festa de São Martinho, lendas ligadas deram origem a tradições que ainda permanecem vivas na Alemanha. Elas estão ligadas ao 11 de novembro, data em que o santo que não queria ser bispo foi enterrado, há 1600 anos.

O 11º dia do 11º mês do ano é especial na Alemanha. Nesta data (e ao longo de toda a semana) são realizadas procissões infantis de São Martinho (St. Martin). Também é o dia da abertura da chamada "quinta estação do ano" nas cidades da Renânia, uma das poucas regiões da Alemanha onde o carnaval é uma festa.

Com fantasias coloridas, música, alegria e cerveja, as pessoas vão às praças centrais das cidades para, pontualmente às 11h11, declarar aberta a temporada da folia. Outra tradição, a de comer ganso assado, está ligada à vida de São Martinho.

Algumas fontes dizem que São Martinho nasceu em 316, outras mencionam o ano 336. Mas a data de sua morte está documentada: 8 de novembro de 397. Como o bispo de Tours morreu durante uma viagem, levou três dias até que seu corpo fosse levado à cidade francesa, onde foi enterrado na catedral, em 11 de novembro.

A lenda que levou os gansos ao forno eterno

O verdadeiro Martinho batizou-se, tornou-se sacerdote e fundou um mosteiro. Em 371 sagrou-se bispo de Tours, o que na verdade não queria, tamanha era a sua modéstia. Levado a Tours com um subterfúgio, Martinho escapou e foi se enconder junto a gansos. Estes não calaram o bico e fizeram tal escândalo, que acabaram delatando a sua presença. Aí não teve jeito, São Martinho recebeu a mitra de bispo.

Desde então, na Alemanha, os gansos 'pagam o pato' por traidores. Desde novembro até o Natal, ganso assado é um prato festivo que não pode faltar. A carne é servida acompanhada de repolho roxo, bolas de massa de batata (Klösse) e maçã assada.

1 de nov de 2010

Ontem (31/10) foi dia da Reforma Protestante, mas como o contexto aqui no Brasil, estava voltado para as eleições presidenciais, preferi escrever hoje, dia 01. Dentre reformas religiosas no âmbito cristão, a Reforma Protestante do século 16 é a que mais impacto trouxe na história do ocidente cristão. 

Na visão protestante, 31 de outubro de 1517 é a data fundante em que ideias de protesto eclesial e reformismo religioso são tornados públicos. Inaugurava-se um novo momento na história eclesial, sendo que o teólogo e padre Martinho Lutero se tornou um dos expoentes mais incisivos dessas ideias. É neste dia que ele afixa suas 95 teses na porta do Palácio de Wittenberg, marcando o começo da Reforma Protestante na Alemanha

Ao longo dos séculos, a forma oficial de vivência da fé cristã fora se desgastando e, em muitas compreensões, afastando-se da novidade original advinda de Jesus de Nazaré. O surgimento de ordens religiosas, que se retiravam a monastérios ou conventos, pode ser compreendido como protesto às práticas vigentes na Igreja. A seu modo, essa retirada buscava o resgate do sentido supremo da pregação e missão cristã. Uma primeira cisão de maior impacto na Igreja veio a surgir por volta de 1059, com a formação da Igreja Católica Ortodoxa, independente do papado romano.

Para quem quiser entender o contexto histórico da Reforma recomendo assistir o filme Lutero e ler o outro artigo que fiz a respeito : Lutero e venda das cadeiras no céu

A familia Voltz desde sua origem (em minhas pesquisas genealógicas data de 1510) era  luterana, mantendo-se assim na sua integralidade até o século XX, onde já ocorreram vários casamentos mistos (luteranos com católicos e outros credos religiosos).

Com informações do site  A Noticia  

Artigos Populares

Arquivo do blog

Lista de Blogs